Virtualização de LaboratóriosVoltar

Uma universidade famosa reduziu custos, adiou investimentos em CAPEX, ganhou flexibilidade, aumentou a produtividade e a motivação da equipe a partir do uso de OpenStack.

06-09-2015





 

 

O Case abaixo se refere a uma grande universidade particular que otimizou seus laboratórios, reduziu custos operacionais e postergou investimentos em infraestrutura.

No ambiente antigo, os laboratórios para as aulas eram montados em vários grupos de servidores, cada grupo atendendo a uma só aula. Professores passavam os requisitos dos laboratórios para uma equipe de operação e esta se encarregava de montar o ambiente. Uma quantidade considerável de recursos computacionais e horas-homem da equipe de operação eram consumidos neste processo.

A montagem de cada ambiente era demorada e os professores precisavam solicitar a preparação dos ambientes com grande antecedência. Após o uso do laboratório, ele era desmontado e os recursos computacionais eram liberados. Caso o mesmo ambiente tivesse que ser montado novamente, o mesmo esforço era dispendido.

Para resolver estes problemas, a universidade fundiu todos os laboratórios em um só pool de recursos computacionais e virtualizou suas estruturas de compute e network utilizando OpenStack. Isso permitiu que a montagem dos laboratórios passasse a ser feita de forma self-service, através de um portal web.

Com um pool agregado atendendo as demandas de todas as aulas de forma unificada, passou a ser possível alocar a carga do laboratório de acordo com a demanda, racionalizando o uso dos recursos de infraestrutura e evitando a necessidade de se manter um pool computacional fixo.

Os ambientes de laboratório passaram a ser estruturados de forma virtual, com todo o computestorage e network sendo montado dentro de um ambiente de virtualização. Além da agilidade, esse modelo permitiu o atendimento de um número bem maior de aulas por dia do que no modelo antigo. 

O ambiente virtual permitiu também a estruturação dos ambientes em forma de script. Desta forma, a estrutura de cada laboratório passou a ser guardada para uso futuro, permitindo a liberação da equipe de operação para atividades mais nobres como, por exemplo, o design dos novos laboratórios. Sem mencionar o aumento da motivação da equipe que passou a desenvolver atividades mais criativas.

Os professores foram beneficiados com a possibilidade de montagem dos laboratórios a partir de uma interface web, pois passaram a não mais precisar da equipe de operação para essa atividade.

Mas quem mais ganhou com a solução foi a universidade. Por causa do uso mais racional do hardware, a universidade adiou a aquisição de novos servidores por dois anos. A redução da carga de trabalho da equipe de operação permitiu à universidade realocar alguns profissionais para a equipe de DevOps.

O próximo passo da universidade é unificar o pool computacional de laboratórios com o pool computacional que atende aos sistemas internos, aumentando ainda mais a racionalização do uso do hardware. Isso permitirá que o sistema de inscrição de novos alunos, que tem seu maior pico no período de férias, possa escalar usando recursos do pool de laboratórios, que não é usado neste período.